sábado, abril 16, 2005

Portugal Não É Um Asilo!


Abusando da hospitalidade dos Portugueses, um grande número de imigrantes ilegais entra em Portugal e tenta fazer prevalecer a sua vontade, obrigando-nos a acolhê-los em solo português.

Sem qualquer reacção das autoridades, estes imigrantes, que contam com o apoio dos seus amigos esquerdistas, desrespeitam e violam a lei e põem em causa a ordem estabelecida. Não duvidamos que muitos deles, porventura gente honesta, tenham problemas nas suas terras de origem, mas nós também temos os nossos problemas. Quando em Portugal existem mais de 500 mil desempregados, quando o trabalho precário, os salários em atraso e as falências das empresas não param de aumentar, isso dá-nos o direito de não querer acolher no nosso País toda a miséria do mundo. Temos de pensar, em primeiro lugar, nos nossos pobres e nas situações de miséria que afectam a sociedade portuguesa.


Chega de conversa, passemos aos actos!

Para o governo português, a escolha é simples:

▪ Se regulariza os imigrantes ilegais, serão ainda muitos milhares os clandestinos que chegarão sem controlo para aproveitar a oportunidade oferecida por Portugal. Para além do aumento da criminalidade, do tráfego de droga, da conflitualidade social e do desemprego dos portugueses, é a identidade nacional que fica em risco de desaparecer.

▪ Se, num assomo de autoridade, expulsa os imigrantes ilegais, como determina a lei vigente, fica provado, por fim, que é possível controlar as nossas fronteiras e os fluxos migratórios. Portugal, com nove séculos de História, poderá então, desta forma, ser salvo da invasão de imigrantes que se adivinha.