segunda-feira, maio 02, 2005

PS 'atira-se' a Jaime Dias

O PS/Portimão considera que as recentes tomadas de posição de Jaime Dias demonstram “desnorte”, “falta de argumentos”, “desconhecimento” da realidade autárquica e chegam ao “patamar limite do aceitável em termos de relações democráticas”. Em nota de imprensa, em relação às críticas de falta de informação sobre os resultados do inquérito “Cidadania Activa”, o PS diz que a divulgação será feita na sexta-feira e que Jaime Dias não pode “impor datas ou etapas de trabalho ao executivo". Quanto à proposta de instalação de um terminal de pagamento multibanco, junto ao Departamento Técnico de Planeamento e Urbanismo (DTPU), refere-se que ele existia nas antigas instalações, na Quinta do Bispo, e que a entidade bancária responsável pela sua manutenção “colocou resistências em reinstalar a linha, nas novas instalações do D.T.P.U., dado que a fraca frequência dos utentes”. Para o PS, “esta proposta do Sr. Jaime Dias foi uma forma encoberta de atacar os funcionários responsáveis do D.P.T.U., pois é a eles que em primeira análise compete propor a instalação de equipamentos necessários ao seu bom funcionamento”. Aliás, refere-se, há por parte deste vereador, uma “perseguição aos funcionários da Câmara”. As críticas feitas à questão do IMI - Imposto Municipal sobre Imóveis é, a esse respeito, "paradigmático". O PS mantém que "os serviços municipais verificaram o equívoco e solicitaram a anulação das taxas mas houve uma má interpretação das instruções por parte da DGITA e manteve-se a taxa minorada de 30 %, de acordo com a qual se emitiram as notas de cobrança", acrescentando-se que "os serviços da DGITA estão agora a calcular o diferencial e será ponderada uma nova liquidação adicional". O PS termina o comunicado, dizendo que Jaime Dias deve ter "um pouco de humildade e 'descer à terra' para falar com os funcionários autárquicos".

no Jornal de Portimão