quinta-feira, junho 30, 2005

Carga Policial

O passado fim-de-semana foi manchado por uma ignóbil carga policial sobre 500 jovens que limpavam tranquilamente o areal de Carcavelos.

Três deles deram entrada directa no serviço de otorrinolaringologia com areia nos ouvidos, dois outros padecem de tendinite após resistência ao esticão de alguns banhistas, encontrando-se ainda em observação, e um sexto, mais escrupuloso no asseio da praia, é o caso que inspira mais cuidados, pois suspeita-se que sofra de insolação. Os restantes 494 estão a monte recuperando do traumatismo psicológico de tamanha ingratidão, pelo que devem receber uma comenda compensatória aquando das cerimónias do dia de Portugal de 2006, a realizar na Cova da Moura.

Desses 500 jovens, 499 têm menos de 16 anos de idade; foi uma violência bárbara a forma como a PSP actuou que deveria, em primeiro lugar, ter dialogado com esses jovens e mostrar-lhes que o seu comportamento estava errado, que se podiam magoar como, efectivamente, aconteceu: 3 deles ficaram com areia nos ouvidos e outros 2 ficaram com uma tendinite...

É que, convenhamos que se diga, esses jovens têm a sua personalidade em formação e a violência da PSP, gratuita, pode comprometer o seu desenvolvimento psico-afectivo e incutir-lhes a revolta a violência, coisa que, até então, eles nem sabiam o que isso era!...

Por outro lado, a culpa de tudo isto foi dos banhistas que, em manifesta atitude provocatória, foram à praia levando consigo sinais exteriores de riqueza e de burguesia: relógios, telemóveis, alianças, etc.

quarta-feira, junho 29, 2005

Tribunal multa partidos



O Tribunal Constitucional estabeleceu coimas aos partidos políticos, pelas irregularidades apresentadas nas contas relativas ao ano de 2002.

No que respeita aos partidos com representação parlamentar o PS foi o que viu aplicada a maior coima, no valor de 175 salários mínimos nacionais, 60 mil e 900 euros; o CDS/PP foi penalizado em 170 salários mínimos, 59 mil 160 euros; PSD em 150 salários mínimos, 52 mil e 200 euros; o Bloco de Esquerda em 60 salários mínimos, 20 mil e 880 euros; em causa esteve, segundo o Tribunal Constitucional, a “não adopção da prática do depósito integral dos donativos de natureza pecuniária em contas exclusivamente destinadas a esse efeito”.
O PCP foi o partido com a menor coima, 40 salários mínimos, 13 mil 920 euros, motivada pelo “incumprimento da obrigação de despesas superiores a dois salários mínimos por cheque ou outro meio bancário” e por “deficiente organização contabilística”.

O Tribunal Constitucional determinou ainda o prosseguimento do processo para efeito de apurar a responsabilidade pessoal dos dirigentes dos partidos políticos pelas infracções cometidas. Na determinação do montante das coimas foram aceites como atenuantes “os esforços que têm vindo a ser desenvolvidos para suprir as deficiências” que os partidos com representação parlamentar alegaram junto do Ministério Público.

Aprovado por todos os 13 conselheiros que integram o Tribunal Constitucional, o acórdão n.º 288/05 aplicou também coimas aos partidos que não conseguiram eleger qualquer representante, incluindo aqueles, como a UDP, que actualmente já não existem enquanto partido. Desta forma à UDP, 55 salários mínimos; FER (Frente Revolucionária de Esquerda), 50 salários mínimos; e ‘Política XXI’, 45 salários mínimos, todos por não cumprirem a obrigação de “cheque ou outro movimento bancário” em despesas superiores a dois salários mínimos (cerca de 700 euros). PPM e MPT, 35 salários mínimos, não adoptaram prática depósitos em contas exclusivas para esse efeito. MRPP e PH, 10 salários mínimos, viram posta em causa a deficiente organização.

De realçar a exclusão do PNR da lista de coimas aos partidos políticos!

Workshop BE



Workshop?!? Fazer boicotes, ocupar espaços públicos, resistir a uma agressão policial e como agir numa manifestação!?!?
Pelo segundo ano consecutivo o Bloco de Esquerda monta um acampamento especialmente destinado aos pequeninos! Vão ensinar técnicas de desobediência civil, como fazer boicotes, ocupar espaços públicos, como se comportar numa manifestação e como resistir a uma agressão policial, tudo isto magestosamente apresentado num programa artístico. A ideia é ensinar aos mais novos o que denominam como o básico para estarem preparados num futuro próximo. Encoberto pela senda da irreverência característica do Bloco de Esquerda montam-se campos de instrução para mini-terroristas.

terça-feira, junho 28, 2005

AVISO: CONTACTOS PROVISÓRIOS DO PNR



Devido à reorganização interna decorrente da II Convenção Nacional do PNR, os antigos contactos do partido estão presentemente desactivados. Em alternativa, e enquanto a situação não for normalizada, estarão disponíveis provisoriamente os seguintes contactos nacionais:

- Telefone: 91 764 75 32

- Endereço Postal: PNR - Apartado 8178 - 1802-001 Lisboa

- O sítio do PNR-Porto funcionará, também em regime provisório, como o órgão oficial de comunicação da Comissão Política Nacional do PNR.

- Todos os contactos do PNR-Porto podem igualmente ser utilizados.

CONVENÇÃO NACIONAL: ELEITA A NOVA DIRECÇÃO DO PNR



Decorreu no passado dia 25 de Junho a II Convenção Nacional do PNR, presidida por José António Pombal. Na primeira parte foram apresentadas duas moções estratégicas e aberto um período para a intervenção dos militantes. Na segunda parte procedeu-se à votação das moções e das listas para os diversos órgãos do partido.

Ambas as moções foram aprovadas por maioria absoluta. Foi eleito o novo Presidente do PNR, José Pinto-Coelho, assim como a nova Comissão Política Nacional e os membros dos restantes órgãos do partido. Além de José Pinto-Coelho, fazem parte da nova Comissão Política Nacional Humberto Nuno de Oliveira, José António Pombal, Pedro Frade, Rui Paulino, João Catarino e João Franco.

No seu discurso final, José Pinto-Coelho realçou que, daqui em diante, a nova equipa dirigente trabalhará no sentido de fazer do PNR um partido mais forte, coeso, determinado e destemido. Para isso, cabe à nova direcção a renovação e reorganização interna do partido que se impõe. Foi ainda anunciada a criação da Juventude Nacionalista, que será coordenada por Filipe Batista e Silva e deverá ser oficializada durante o Verão.

A mudança que se materializou nesta Convenção, e que foi entusiasticamente acolhida por todos os militantes presentes, representa para o PNR um motivo de esperança e coragem para o futuro. Com os novos quadros eleitos, o PNR estará preparado para se transformar, a breve trecho, numa verdadeira força de oposição nacional que realize a unidade dos nacionalistas e que congregue todos os Portugueses fartos do actual sistema de destruição nacional.

VIVA O PNR!!!
VIVA PORTUGAL!!!

terça-feira, junho 21, 2005

MANIF versão Jornalistica

TSF online

Confrontos na "manif" em lisboa
O corpo de intervenção da PSP foi obrigado a actuar devido aos confrontos entre os elementos, incluindo jovens cabeças rapadas, de um protesto em Lisboa organizado pela Frente Nacional e as pessoas que fizeram uma contra-manifestação improvisada.



[ler notícia]



Publico.pt

Escaramuças no final de manifestação da extrema-direita em Lisboa
O Corpo de Intervenção foi obrigado a formar uma barreira entre manifestantes e populares que se concentraram no Rossio.

[ler notícia]



PortugalDiário

Manifestação: «Basta, basta. Imigrantes igual a crime»
Bandeiras de Portugal, algumas cabeças rapadas e cartazes apelando ao «orgulho na raça e novo povo português». Ouviu-se o hino e gritos de «isto é nosso». Polícia evitou o pior quando transeuntes chamaram «fascistas»

[ler notícia]



Diáriodigital
PSP evitou confrontos em manif de extrema direita no Rossio

Agentes da PSP com cães tiveram de interpôr-se este sábado entre apoiantes da Frente Nacional e contestários na Praça do Rossio, no fim de uma manifestação «contra a criminalidade» convocada por aquela organização de extrema-direita.

[ler notícia]



SIC

Momentos de tensão no Rossio
Agentes da PSP com cães tiveram de interpôr-se, este sábado, entre apoiantes da Frente Nacional e contestários na Praça do Rossio, no fim de uma manifestação "contra a criminalidade", convocada por aquela organização de extrema-direita.

[ler notícia]



Diário de Notícias

Tensão na maior manif xenófoba de sempre
Corpo de Intervenção evitou confronto no Rossio, quando alguns populares gritaram contra os manifestantes

[ler notícia]



Diário de Notícias

"Nem assaltos nem extrema-direita"

[ler notícia]



Correio da Manhã

Polícia evitou confrontos na manifestação skin
O cenário é de tensão. O Rossio de Lisboa está dividido em duas facções. No centro da praça D. Pedro IV, centenas de manifestantes de extrema-direita – entre eles dezenas de ‘skinheads’ – gritam palavras contra a criminalidade e a imigração. Para lá da barreira policial, começa a formar-se um grupo de imigrantes que não resiste e parte para os insultos.

[ler notícia]



Lusa
Lisboa/Manifestação: PSP evitou confrontos no Rossio
Lisboa, 18 Jun (Lusa) - Agentes da PSP com cães tiveram de interpôr-se hoje entre apoiantes da Frente Nacional e contestários na Praça do Rossio, no fim de uma manifestação "contra a criminalidade" convocada por aquela organização de extrema-direita

[ler notícia]



Lusa
LusaTV: Lisboa-Manifestação da Frente Nacional marcada por pequenos incidentes
Lisboa, 18 Jun (LusaTV) - A manifestação "contra a criminalidade" convocada pela Frente Nacional que hoje juntou cerca de 400 pessoas em Lisboa ficou marcada por alguns incidentes menores e alterações de ordem pública que acabou por levar à intervenção da PSP.

[ler notícia]



EuroNews
Cerca de 400 pessoas responderam à chamada da Frente Nacional, a extrema-direita portuguesa, para um protestto contra imigração e contra o aumento da criminalidade em Portugal. Uma reacção à vaga de assaltos que aterrorizou, há 8 dias, os banhistas na Praia de Carcavelos subitamente invadida por centenas de jovens de origem africana.

[ver notícia]



Público

“Portugal está a ser invadido por criminosos que vêm de fora”
Saudações nazis e palavras de ordem contra imigrantes pautaram “Marcha contra a criminalidade”. Corpo de Intervenção da PSP impediu desacatos entre manifestantes e contestatários. Na rua do Carmo, houve momentos de pânico

[da versão Papel]



BBC Brasil
Centenas protestam contra imigrantes em Lisboa
Aproveitando o sentimento de revolta causado pelo arrastão que ocorreu na praia da Carcavelos no dia 10 de junho, a extrema direita portuguesa realizou a sua maior manifestação desde o retorno do país à democracia, em 1974.

[ler notícia]



Terra Noticias
Centenas protestam contra imigrantes em Lisboa
Aproveitando o sentimento de revolta causado pelo arrastão que ocorreu na praia da Carcavelos no dia 10 de junho, a extrema direita portuguesa realizou a sua maior manifestação desde o retorno do país à democracia, em 1974. Na tarde deste domingo, mais de 500 pessoas desfilaram pelo centro de Lisboa pedindo o fim dos crimes e a expulsão dos imigrantes ilegais.

[ler notícia]



Primeiro de Janeiro

Bandeiras de Portugal, «skinheads» e apelos ao repatriamento na baixa de Lisboa «Imigrante igual a crime»

[da versão papel]



Jornal de Notícias

Polícia obrigada a intervir para impedir confrontos
acção PSP teve que realizar uma carga para proteger um cidadão marroquino Fotógrafo ferido à bastonada Populares juntaram-se à manifestação extremista contra a criminalidade

[ler notícia]




A Capital
Skins e PNR protestam e iniciam campanha


Manifestação nacionalista de ontem serviu como acção de pré-campanha para as eleições no Partido Nacional Renovador, que terão lugar no próximo dia 25 de Junho.

[da versão papel]




NOVOPRESS

Il n’y a pas de droits égaux quand tu es pris pour cible du simple fait d’être blanc
Plusieurs centaines de personnes ont défilé samedi après-midi à Lisbonne, à l’appel d’une organisation nationaliste. Elles ont protesté contre l’"immigration” et “la hausse de la criminalité” au Portugal.

[ler notícia]

segunda-feira, junho 20, 2005

Se querem copiar... ao menos que copiem bem!

Na Noruega, o horário de trabalho começa cedo, às 8 horas e também acaba cedo às 15.30.

As mães e os pais noruegueses têm uma parte significativa dos seus dias para serem pais, para proporcionar aos filhos algo mais do que um serão de televisão ou videojogos.
Têm um ano de licença de maternidade e nunca ouviram falar de despedimentos por gravidez.

A riqueza que produzem nos seus trabalhos garante-lhes o maior nível salarial da Europa. Que é também, desculpem-me os menos sensíveis ao argumento, o mais igualitário. Todos descontam um IRS limpo e transparente que não é depois desbaratado em rotundas e estatuária kitsh, nem em auto-estradas, até só têm 200 quilómetros dessas alavancas de progresso, nem em Expos e Euros ou carros novos para os Srs. Ministros.

Já é tempo de os empresários portugueses constatarem que, na Noruega, a fuga ao fisco não é uma vantagem competitiva. Ali, o cruzamento de dados devassa as contas bancárias, as apólices de seguros, as propriedades móveis e imóveis e as ofertas de património a familiares que, em Portugal, país de gentes inventivas, garantem anonimato aos crimes e confundem os poucos olhos que se dedicam ao combate à fraude económica.

Mais do que os costumeiros bons negócios, deviam os empresários portugueses pôr os olhos naquilo que a Noruega nos pode ensinar. E, já agora, os políticos. Numa crónica inspirada, o correspondente da TSF naquele país, afiança que os ministros não se medem pelas gravatas, nem pela alta cilindrada das suas frotas. Pelo contrário, andam de metro, e não se ofendem quando os tratam por tu. Aqui, cada ministério faz uso de dezenas de carros topo de gama, com vidros fumados para não dar lastro às ideias de transparência dos cidadãos. Os ministros portugueses fazem-se preceder de batedores motorizados, poluem o ambiente, dão maus exemplos e gastam a rodos o dinheiro que escasseia para assuntos verdadeiramente importantes.

Mais: os noruegueses sabem que não se projecta o nome do país com despesismos faraónicos, basta ser-se sensato e fazer da gestão das contas públicas um exercício de ética e responsabilidade. Arafat e Rabin assinaram um tratado de paz em Oslo. E, que se saiba, não foi preciso desbaratarem milhões de contos para que o nome da capital norueguesa corresse mundo por uma boa causa.

Até os clubes de futebol noruegueses, que pedem meças aos seus congéneres lusos em competições internacionais, nunca precisaram de pagar aos seus jogadores 400 salários mínimos por mês para que estes joguem à bola. Nas gélidas terras dos vikings conheci empresários portugueses que ali montaram negócios florescentes. Um deles, isolado numa ilha acima do círculo polar Árctico, deixava elogios rasgados à social-democracia nórdica. Ao tempo para viver e à segurança social.

Ali, naquele país, também há patos-bravos, mas para os vermos precisamos de apontar binóculos para o céu. Não andam de jipe e óculos escuros. Não clamam por messias nem por prebendas. Não se queixam do excessivo peso do Estado, para depois exigirem isenções e subsídios.
Já é tempo de aprendermos que os bárbaros somos nós, reconhecer isto já seria meio caminho andado para nos civilizarmos.

fonte: EMail anónimo.

VideoReportagem - Manifestação
Contra o Aumento da Criminalidade

José Pinto Coelho do Partido Nacional Renovador, dirige-se aos manifestantes.


Alinhando-se para a marcha.


Cantando o Hino Nacional.


"Basta de crime!".


Humberto Nuno Oliveira do Partido Nacional Renovador agradeçe a presença dos manifestantes.


Vista Parcial do Rossio.


Macaquices.


.

FotoReportagem - Manifestação
Contra o Aumento da Criminalidade


Inicio da concentração no Martins Moniz


[1]. José Pinto Coelho (PNR).
[2]. Cartaz da Caussa Identitária, "Sampaio na Cova da Moura, os portugueses no Martins Moniz".
[3]. "Portugal! Acorda!".


[1]. "Por um futuro sem criminosos".
[2]. Bandeiras ao vento.
[3]. Cartaz da Causa Identitária, "Travar a imigração e repatriar os clandestinos"


[1]. Os manifestantes vão avançando.
[2]. Parte da frente da Manifestação.
[3]. Parte de trás da Manifestação.


[1]. Uma manifestante inesperada.
[2]. Faixa da Frente Nacional, "Não existem direitos iguais quando é um alvo por seres branco".
[3]. Vista parcial da chegada ao Rossio.


[1], [2]. Vista parcial da chegada ao Rossio.
[3]. Cantando o Hino Nacional.


Cantando o Hino Nacional.


Algumas macaquices no final da Manifestação.