terça-feira, agosto 30, 2005

VIA NATURA



As páginas e blogues nacionalistas não param de aumentar. Agora registamos a criação de uma página dedicada aos problemas ambientais e à natureza.
Não deixe de visitar a VIA NATURA.
-------------------------------------------------------------------------------------
A VIA NATURA" existe como fim difundir, alertar e educar a comunidade sobre temas relacionados com o nosso planeta, ecologia, os actuais e possíveis danos que podem ser causados ao meio ambiente e como evita-los e enfrenta-los. Aqui podem ainda encontrar informações úteis como alguma da legislação actualmente em vigor, temas relacionados com os nossos antepassados (nomeadamente genética e antropologia) e ainda algumas dicas e truques de como viver bem e saudavelmente. Por um Nacionalismo ecologista e são.

A VIA NATURA, é um espaço com o fim de consciencializar a nossa comunidade sobre o ambiente e os problemas que o nosso planeta enfrenta nos dias de hoje, e de que maneira podemos coexistir com os desígnios da Natureza harmoniosamente, como fizeram os nossos antepassados durante séculos.

Muitos são os que já se aperceberam que vivemos num planeta envenenado e moribundo. A nossa terra está doente devido a venenos que lhe demos durante dezenas de anos, o nosso ar muitas das vezes já nem é respirável, e a nossa água cada vez é mais escassa e a que ainda podemos consumir tem que ser filtrada antes de ser utilizada. Os nossos animais e plantas, vão desaparecendo à medida que o nosso planeta sucumbe numa imensidão de fumo negro e venenos. São cada vez mais raros os locais e refúgios limpos e agradáveis necessários à nossa alma, pois a nossa terra padece de uma espécie de “cancro” que se vai alastrando cada vez mais e a uma velocidade inimaginável.

O nosso povo cresce insalubre e nasce já doente devido a uma dieta constituída por lixo, produtos animais (que são quase sempre resultado de abuso e maus tratos aos mesmos), uma impossibilidade de respirar ar puro e beber água limpa. Nós já não sabemos como cuidar e preservar a nossa terra, os nossos corpos e espíritos e é por isso mesmo que estamos a perder-nos a nós próprios à nossa terra e todas as maravilhas que ela nos dá.

O nosso dever de proteger e de preservar não se aplica somente ao nosso povo e estirpe, pois a este está inerente o dever de proteger o solo que todos os dias pisamos e nos dá alimento essencial à nossa sobrevivência, o ar de que respiramos, o sol que nos move e a água que faz parte de nós. Temos de conhecer e respeitar a Terra que nos permitiu subsistir e evoluir durante milhares de anos e apesar de muitos se esquecerem ainda é ela que permite a nossa sobrevivência. Um respeito para com a Terra que nos deu a vida é um respeito para com o nosso povo, a nossa história e antepassados. A VIA NATURA existe com o fim de fornecer a toda a comunidade informações úteis para que todos possam viver melhor e coexistir aprazivelmente com a Natureza. A Natureza e a nossa terra têm de ser respeitadas e cuidadas para que a existência do nosso povo e o futuro das nossas crianças seja preservado.

O JOGRAL



A blogoesfera nacionalista recebeu mais um reforço, O Jogral.
Passem por lá que vale a pena.

Homossexualidade :: Perspectivas

in:
Braga Nacional
http://braga-nacional.blogspot.com/
29 Agosto 2005

Infelizmente, vários grupos de
activistas liberais em Portugal, estão a tentar corromper a lei para mudar as definições de Família e assim incluir os casamentos homossexuais, poligâmicos e outras disposições, o que são claramente antinaturais.

É de forma persistente que os activistas homossexuais utilizam para sua defesa o “
Mito Urbano” de que nasceram homossexuais ou de que a sua orientação sexual surge cedo na adolescência, que se fixa e que é impossível alterar. Ou seja, é genético! Mas melhor, é quando defendem serem pessoas perfeitamente normais uma vez “que nasceram no seio de famílias heterossexuais saudáveis”.



E é precisamente sobre este “Mito Urbano” que eu me proponho escrever. Para desmontar o lóbi gay e mostrar à sociedade as mentiras que por ai se dizem.

Vou ter como base de refutação os textos apresentados por
Rita P. Silva no site http://homofobia.com.sapo.pt/. E porquê este site e não outro? É fácil de responder! Em todos os outros sites que abordam este tema, a tendência é cair no ridículo, acontecimento comum entre essa gente, pois para além de mostrarem fotos de mulheres e homens nus ou seminus e de homens vestidos de “palhaços”, perde toda a credibilidade de quem diz defender algo de sério.
Este site pretende transmitir credibilidade através de textos bonitos, mas na realidade indica parte da verdade, ou seja, são textos relatados da maneira mais conveniente para quem os escreve.

Senhor(a) Rita P. Silva vamos então ver o que tem estado a ocultar aos seus leitores.

Vamos começar pelo tópico “o que é a homossexualidade?”

…a partir de 1970 começou a surgir uma perspectiva positiva, generalizada, em relação à homossexualidade. A APA (American Phychological Association) retirou a homossexualidade do seu “Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais” (DSM) em 1973, depois de rever os estudos e provas que revelavam que a homossexualidade não se enquadra nos critérios utilizados na categorização de doenças mentais.” In http://homofobia.com.sapo.pt/homossexualidade.html

Aqui só é dita meia Verdade. Pois existe uma ocorrência que a senhor(a) está omitir aos seus leitores.

O Dr. Robert Spitzer, foi um dos principais responsáveis, por de trás da decisão (1973) da American Psychiatric Association´s de remover a Homossexualidade como uma doença mental dos manuais da APA - American Phychological Association.

Mas também, é o próprio Dr. Spitzer que diz actualmente estar convencido que homens ou mulheres que tem orientações homossexuais podem corrigir suas preferências sexuais através da terapia. As suas recentes descobertas estão publicadas num livro intitulado Archives of Sexual Behavior (Vol. 32, nº 5, Outubro de 2003, pp. 403-417).

Ou seja vinte anos de experiência mudaram a sua percepção das causas que defendia.

…as investigações mais recentes…”. O que é isto? Quer dar credibilidade aos “seus” textos, utilizando termos como "investigação", olhe que as palavras não são tudo, também as temos que sustentar!? Eu vou-lhe falar de algumas investigações.

The Innate - Immutable Argument Finds no Basis in Science: In Their Own Words: Gay Activists Speak About Science, Morality, Philosophy” escrito por A. Dean Byrd, Shirley E. Cox e Jeffrey W. Robinson. narth
Já ouviu falar? Os autores deste estudo citam cuidadosamente um número variado de investigações sobre o tema da homossexualidade sobre as quais trabalharam durante os últimos anos em busca dos genes ou de outras bases genéticas responsáveis pela homossexualidade. O que acontece é que eles falharam e agora admitem que tais provas poderão nunca serem encontradas.

Drª Dean Hamer, outra investigadora, por exemplo tentou ligar a homossexualidade masculina a um fragmento de DNA localizado na extremidade do cromossoma X. E escreveu:"a Homossexualidade não é puramente genética…factores externos tem a sua responsabilidade. Não existe um único gene responsável pela homossexualidade…não acredito que se seja possível prever se alguém vai ser gay..."

Um outro estudo de interesse é o famoso “twins study” realizado por Dr. Bailey e Dr. Pillard

Esta tese foi muitas vezes utilizada por activistas homossexuais para provar que a homossexualidade era genética. E mais uma vez para dizer que não se tratava de uma doença. Mas Dr. A. Dean Burd (no site da NARTH – National Association for Research and Therapy of Homosexuality) faz uma nota interessante: “este estudo actualmente serve para suportar a ideia que os factores externos são relevantes. Se a homossexualidade realmente estivesse no código genético, em todos os gémeos idênticos, no caso de um se tornar homossexual, o outro também deveria ser.”

Dr. Robert Hicks, autor do livro “the Masculine Journey” escreveu: “…durante estes vinte anos de aconselhamento a homens gay´s, ainda não conheci um que tivesse uma infância normal no que diz respeito à sua sexualidade. É comum encontrar histórias de abusos, de álcool, ou a falta (física e emocional) dos pais; histórias de incesto ou de sexo forçado por irmãos, vizinhos, homens ou mesmo amigos. Sinto que por vezes estes homens são expostos desde muito cedo a pornografia…”

E os apontamentos poderiam continuar com Dr. Simon Levay e Dr. George Rekers, mas penso que já é mais que suficiente para mostrar e refutar as ideias erróneas que a Senhor(a) Rita P. Silva (mas não só) está a tentar passar aos seus leitores.

conclusão:

Os três principais e mais recentes estudos sobre a homossexualidade que tinham por objectivo provar que a homossexualidade não era uma doença mas algo de genético, nada provaram. Aliás dois dos autores chegaram a admitir que as suas pesquisas não puderam provar que existem bases genéticas na homossexualidade.

Ou seja os estudos mais credíveis sobre a homossexualidade mostram que ninguém nasce “gay”, e que a homossexualidade é uma doença relacionada com problemas de desenvolvimento, que surgem em regra durante a adolescência e sobre o efeito de disfunções familiares ou abusos sexuais.

Infelizmente os activistas homossexuais utilizam esta mesma “lenda” como “cavalo de tróia”, para assim, entrarem todos os dias, de forma subtil na mente das pessoas.

Mais recentemente também os travestis reclamam terem nascido travestis e pedem leis que os protejam da “suposta sociedade intolerante”. Nem me vou prenunciar!

Desta forma pode-se dizer que a informação positiva sobre a homossexualidade, desencadeia que mais pessoas se tornarem homossexuais! Os “Filhos” de homossexuais podem, sim, tornarem-se homossexuais!

Infelizmente, não posso gastar muito mais tempo com este tema, mas acredito que estas linhas são suficientemente claras, para que qualquer pessoa consiga tirar as suas próprias conclusões. E se restarem algumas dúvidas sobre o que escrevi, consultem as referênciasde forma a confirmarem tais afirmações.

domingo, agosto 28, 2005

BRAGA NACIONAL



Já esta on line mais um blogue de cariz nacionalista dedicado a uma região. A rede de blogues nacionalistas regionais ficou assim mais rica.
Visitem e divulguem o Braga Nacional.

quarta-feira, agosto 24, 2005

Mais um aviso...

Mais um sinal de força foi dado pela Comissão Coordenadora Permanente das Forças de Segurança (CCP), incluindo a GNR, PSP, SEF, PJ, Polícia Marítima e Guarda Prisional, a marcar uma vigília frente à residência oficial do primeiro-ministro para o próximo dia 31 de Agosto e uma manifestação para 22 de Setembro, em Lisboa. Uma possível greve dos profissionais do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e dos guardas prisionais.

Os militares, por sua vez, já agendaram para 13 de Setembro uma manifestação e deverão marcar presença fardados na abertura do Parlamento, em meados de Setembro.

Senhores politicos, trinta anos passados e não aprenderam nada!

segunda-feira, agosto 22, 2005

Os crimes do Comunismo

O comunismo foi, inegavelmente, um dos fenómenos mais importantes do Século XX. Antecedeu o fascismo e o nazismo, sobreviveu a ambos e atingiu todos os continentes.

Os seus crimes, em todo o mundo, ainda não foram submetidos a uma avaliação legítima, sejam do ponto de vista histórico, assim como do ponto de vista moral. Talvez, nunca o sejam. A maioria dos seus membros comunistas refuta, alegando que, na sua maioria os crimes respondem a uma “legalidade”, ela própria sustentada por instituições pertencentes aos regimes vigentes. Ignorando, neste caso e muito inteligentemente, que o mesmo já ocorreu com o nazismo, julgado em Nuremberga!

Os testemunhos são mais que abundantes, desta feita, confirmados pela abertura dos arquivos do partido e da KGB após o fim da União Soviética, vêm demonstrar que o terror foi uma das dimensões fundamentais do comunismo. Em seu nome foram cometidos inúmeros crimes contra o espírito, contra a cultura universal, contra as culturas nacionais e acima de tudo e sobretudo contra a própria vida.

Estaline ordenou a demolição de centenas de igrejas na Rússia; Nicolau Ceaucescu destruiu o coração histórico de Bucareste para construir edifícios e traçar perspectivas megalomaníacas; Pol Pot desmontou, pedra por pedra, a Catedral de Phnom Penh e abandonou à selva os templos de Angkor e, durante a chamada revolução cultural maoísta, tesouros inestimáveis foram destruídos pelos Guardas Vermelhos.

Num primeiro balanço foram estabelecidos os seguintes números: URSS, 20 milhões de mortos; China, 65 milhões; Vietenam, 1 milhão; Coreia do Norte, 2 milhões; Cambodja, 2 milhões; Leste-Europeu, 1 milhão; América Latina, 250 mil; África, 1,7 milhão; Afeganistão, 1,5 milhão. O total aproxima-se dos 100 milhões de mortos, contra 25 milhões de mortos pelo nazismo. Ou seja, os regimes comunistas são os mais criminosos do Século XX.

Estaline ordenou ou autorizou inúmeros crimes, sendo o mais espectacular a execução da quase totalidade dos oficiais polacos feitos prisioneiros em 1939, durante a II Guerra Mundial, dos quais 4.500 oficiais mortos na Floresta de Katyn foram apenas um dos episódios. Entretanto, outros crimes passaram desapercebidos pela opinião pública mundial, como o assassinato, nos Gulags, de centenas de milhares de cidadãos russos, bem como de alemães aprisionados entre 1943 e 1945.

Essa foi uma decisão dos bolcheviques, tão logo tomaram o Poder, em Outubro de 1917: a eliminação legal de toda e qualquer oposição e resistência ao novo regime.

Logo após a Revolução Bolchevique, centenas de milhares de pessoas filiaram-se, um pouco por todo o mundo, nas fileiras da Internacional Comunista, definida por Estaline como “o estado-maior político e ideológico do movimento revolucionário do proletariado, destinado a preservar o marxismo revolucionário das deformações oportunistas de direita e de esquerda”. Nos anos 50 e 70, mais umas centenas de milhares de homens e mulheres veneraram o camarada Mao, o Grande Timoneiro da revolução chinesa, e cantaram em prosa e verso os grandes méritos do Grande Salto Adiante e da Revolução Cultural que mandou milhões de chineses para os cemitérios.

No mundo ocidental, muitas pessoas alegaram que não sabiam. Apesar, esta ignorância é, tão-somente, resultado de uma cegueira provocada pela crença militante. Desde os anos 40, muitos dos factos eram mais do que conhecidos e incontestáveis. Ora, se a maioria dessas pessoas abandonou, hoje, os ídolos de ontem, a grande maioria foi com silêncio e discrição. Mas não deixa de ser um profundo amoralismo abandonar uma filiação política pública no maior dos segredos, sem dele tirar nenhuma lição.

A ideologia comunista propõe a imagem de uma sociedade melhor e incitava-nos a desejá-la e lutar por ela. Além do mais, ela priva todos os indivíduos das suas responsabilidades, pois são sempre eles, os Secretários-Gerais quem decidem por nós. A atracção desse sistema totalitário, experimentada inconscientemente por muitos, provém de um certo medo da liberdade e da responsabilidade, o que pode explicar a relativa popularidade dos regimes autoritários em todos os tempos.

Recorde-se que o sistema político arcaico dos Czares que a Revolução Bolchevique varreu do mapa, no período de 1825 a 1917 condenou à morte por suas opiniões políticas, 3.932 pessoas, número ultrapassado pelos bolcheviques já em Março de 1919, com menos de dois anos de exercício do Poder Total.

Perante isso, pergunta-se: por que os crimes comunistas têm uma tão pequena repercussão na opinião pública? E, sobretudo, por que um silêncio académico sobre a catástrofe comunista – e até mesmo sua negação – que atingiu, por cerca de 80 anos, um terço da humanidade, nos quatro continentes? Por que a incapacidade dos políticos e historiadores de situar no centro da análise da doutrina comunista um factor tão essencial quanto o crime, o crime em massa, o crime sistemático, o crime contra a humanidade ou, simplesmente, os crimes comunistas? Não seria essa uma recusa deliberada de saber, de um medo de compreender?

Cupidez, apatia, vaidade, fascinação pela força e pela violência, paixão revolucionária? Qualquer que seja a motivação, os líderes das ditaduras comunistas sempre encontra os bajuladores de que tantos necessitam. E continuam a encontrar. Fidel Castro, por exemplo, não é aplaudido quando diz que está “construindo o socialismo” e quando vocifera, ao final de seus discursos “socialismo ou morte”? Bem como quando é fotografado em eventos internacionais ao lado de outros governantes?

O camarada Hugo Chávez não é aplaudido quando se refere à tal revolução bolivána e a um socialismo à la Simón Bolívar?

Finalmente, cabe lamentar que a ignorância – desejada ou não – da dimensão criminosa do comunismo se tenha juntado, quase sempre, à indiferença da maioria de nossos contemporâneos para com seus irmãos humanos.

Citação milenar

"Há nos confins da Ibéria um povo que nem se governa nem se deixa governar..."
[Gaius Julius Caesar (100-44 AC)]

O relógio de Sócrates

Um cidadão morreu e foi para o céu.
Enquanto estava em frente a São Pedro nos Portões Celestiais, viu uma enorme parede com relógios atrás dele e perguntou:
• O que são todos aqueles relógios?
São Pedro respondeu:
• São Relógios da Mentira.. Toda a gente na Terra tem um Relógio da Mentira. Cada vez que mentires, os ponteiros movem-se mais rápido.
• Oh!!! - exclamou o cidadão. - De quem é aquele relógio ali?
• É o da Madre Teresa. Os ponteiros nunca se moveram, indicando que ela nunca mentiu.
• E aquele, é de quem?
• É o de Abraham Lincoln. Os ponteiros só se moveram duas vezes, indicando que ele só mentiu duas vezes em toda a sua vida.
• E o Relógio do Sócrates, também está aqui?
• Ah! O do Sócrates está na minha sala.
• Olá!!! - espantou-se o cidadão. - Por quê?
E São Pedro, rindo-se:
• Estou a usá-lo como ventoínha de tecto!!

sábado, agosto 20, 2005

Manifestação 20 de Agosto

segunda-feira, agosto 15, 2005

PNR VÍTIMA DE UM CASO DE PERSEGUIÇÃO POLÍTICA


COMUNICADO DE IMPRENSA

O delegado do PNR no Porto, Carlos Branco, foi constituído arguido e encontra-se desde o passado dia 8 de Agosto sob Termo de Identidade e Residência por motivo de uma campanha que aquela distrital promoveu em defesa do comércio tradicional português.
A campanha, que apelava ao “boicote ao comércio e produtos chineses”, foi considerada «racista» pelos indivíduos do ACIME (Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas), que apresentaram queixa na Polícia Judiciária. Carlos Branco alegou que a campanha não tinha por alvo os chineses enquanto pessoas ou comunidade, mas apenas os produtos importados da China e vendidos em território nacional, os quais são fabricados com recurso a mão-de-obra infantil e num total desrespeito aos mais elementares direitos humanos — numa situação de clara concorrência desleal.
As medidas de coacção aplicadas configuram inegavelmente um caso exemplar de perseguição política. Tão estranho quando certos grupos de esquerda, na sequência da invasão do Iraque pelas tropas dos Estados Unidos, solicitaram o boicote de produtos americanos, não vimos indignação dos senhores do Alto Comissariado, nem quaisquer medidas coercivas.
Vemo-las agora, num ambiente de perseguição política contra o PNR e seus representantes, por estes sufragarem uma ideia comum a boa parte dos Portugueses: a defesa do comércio tradicional face à invasão de produtos chineses.

Comissão Política Nacional
12 de Agosto de 2005

sexta-feira, agosto 12, 2005

Não se pode infrigir a lei militar

Repreensão, faxina, prisão ou reforma compulsiva, são só algumas das sanções em que incorrem 107 militares das Forças Armadas, por se terem manifestado fardados, junto à residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa – um acto irreflectido, ou não, que agora lhes pode custar a liberdade ou as carreiras. “Possivelmente tinham razões para actuar, mas não se pode infringir a Lei Militar” – afirma o General Loureiro dos Santos.

Mas que cumpridores estão eles agora, esquecem-se que da última vez que os militares se aborreceram com condições laborais... tivemos um golpe de estado...

Portugal área de caça Muçulmana

Numa altura que a polícia britânica detêm estrangeiros por suposta “ameaça para a segurança nacional” e que os expulsam do país ao abrigo da lei da imigração, por cá, em nome da tolerância, dos bons costumes e da estupidez natural de entre 30 mil casamentos autorizados sem averiguação pelo SEF há dois mil de muçulmanos com portuguesas. Deve ser a nova forma de evitar os passaportes falsos por ai encontrados nas mãos dos terroristas, assim oficializa-se a coisa.

O 'Diário de Notícias' há 30 anos

Quando Freitas era "fascista"

O Diário de Notícias, na edição de 8 de Agosto de 1975, não disfarçava a sua irritação perante a divulgação do Documento dos Nove. "O Directório condena severamente o divisionismo do documento Melo Antunes", titulava este jornal numa interminável manchete, em corpo superior ao habitual. Divulgado na véspera, em primeira mão, pelo vespertino Jornal Novo, o documento mereceu severas críticas da 5.ª Divisão do Estado-Maior General das Forças Armadas, que acusou Melo Antunes e os seus pares de criarem "divisionismo" na tropa. O DN destacava um comunicado do Directório (formado por Costa Gomes, Vasco Gonçalves e Otelo Saraiva de Carvalho), emitido às 3 horas da madrugada. A atitude dos Nove - dizia o Directório - é "gravemente perturbadora do processo revolucionário em curso, divisionista e visando possibilitar o prolongar da actual crise política".

Também se destacava a formação do V Governo Provisório, cujo elenco o DN dava enfim a conhecer aos seus leitores. "Espera-se que sejam anunciadas medidas de austeridade", antecipava o jornal. Outras medidas em perspectiva iam da redução do preço dos adubos à "repressão ao reaccionarismo e ao boicote à Revolução existente em certos meios".

A "escalada reaccionária" que tanto preocupava o DN naquele Verão tão quente teve mais uma etapa no Porto, quando Otelo ali se deslocou em visita ao quartel- -general da Região Militar do Norte. Finda a reunião, o comandante do Copcon acompanhou o brigadeiro Eurico Corvacho (um dos oficiais do MFA mais conotados com o PCP) a um restaurante da Baixa portuense, onde ambos almoçaram. Mas a refeição deve ter sido indigesta três centenas de pessoas concentraram-se no local, insultando Otelo e Corvacho. "Fora a canalha" foi um dos gritos mais escutados. "Obscenidades cortavam o ar", relata o repórter do DN, revelando que o estabelecimento foi rodeado por um cordão da Polícia Militar como medida de segurança. Mas nem assim a agitação abrandou.

"Temos de alargar rapidamente a base social de apoio e, consequentemente, a base militar ao processo revolucionário", advertiu Otelo aos jornalistas antes de voar de regresso a Lisboa.

Na Assembleia Constituinte, o deputado da UDP gerou grande burburinho ao dirigir-se ao líder do CDS - actual ministro dos Negócios Estrangeiros - nestes termos "Queria perguntar ao fascista do Freitas do Amaral..." O presidente, Henrique de Barros, cortou-lhe a palavra. Américo Duarte abandonou então o hemiciclo, deixando um "documento de protesto" que não chegou a ser lido por conter "termos insultuosos".

E que mais? Era assaltada a sede do PCP em Cantanhede. Um despacho do ministro da Educação, major Emílio da Silva, demitia Adriano Moreira da Função Pública por ter exercido as funções de ministro do Ultramar. "Agentes da CIA encontram-se nos bares de hotéis de luxo em Lisboa", alertava a revista espanhola Cambio 16, citada pelo correspondente da agência ANI em Madrid, Manuel Lopes. E a PSP fazia "rusgas nocturnas" nas praias da Caparica, até à Fonte da Telha, "em busca de drogados e pessoas dedicadas à prática de actos sexuais considerados atentatórios da moral pública".

fonte: Diário Noticias

quinta-feira, agosto 11, 2005

os nossos "irmãozinhos"!


Se não conseguir ver o vídeo, pressione aqui!

Quais são os limites da diversão, até onde podem ir?

quarta-feira, agosto 10, 2005

長舌婦

去看國際短片節,因不設劃位的關係入場前雖要排隊,後面排了一對中年夫婦,女的不停嘮嘮叨叨,不停的抱怨,說排隊辛苦,不明白其他人為何不用排隊便可以進場﹝因為他們去看正場電影﹞,滿嘴怨言,難得他的先生一聲不響,可能相處得久,已按裝了情緒調節氣,不溫不火。

現今香港的女性為何那樣不濟?處處暴露自已的缺點,當有人出言糾正,就用自已三寸不爛之舌為自已辯護,即使公理不再自已處,難怪被人冠以「長舌婦」之名。

para os "browsers" que não têm este tipo de lingua instalada, aqui fica a imagem...



ps: comentário de um dos últimos visitantes de hoje desde blog, será preocupante?!?

Sócrates Não Mente!



• Sócrates prometeu não aumentar os impostos
...
_realidade: aumentou-os!

• Sócrates prometeu criar 100 mil novos empregos
...
_realidade: o desemprego aumentou!

• Sócrates prometeu acabar com as trapalhadas
...
_realidade: as trapalhadas aumentam, aumentam, aumentam!

• Sócrates prometeu estabilidade, crescimento e responsabilidade
...
_realidade: os seus ministros vêm a público demonstrar insatisfação pelo rumo seguido!

• Sócrates prometeu aumentar os níveis de confiança dos portugueses
...
_realidade: assistimos a um país cada vez mais deprimido e com falta de confiança!

• Sócrates prometeu acabar com o despesismo
...
_realidade: paga indemnizações de meio milhão de contos ao despedir administrações qualificadas!

• Sócrates disse que PSL nomeou muitos boys
...
_realidade: nomeou ainda mais boys no mesmo espaço de tempo!

• Sócrates é mentiroso...
_realidade: não, é apenas o pinónio!

El Rei D. Sóares



Sua Alteza D. Sóares decidiu retomar o poder tendo o total apoio do Marquês de Sócrates. O actual Príncipe Regente, D. Jorge I, ainda não se pronunciou sobre o assunto mas fontes bem colocadas afirmaram que Sua Alteza está satisfeito. A negociata já está a ser redigida há vários meses, antes mesmo do «Absolutista» dissolver as Cortes no ano passado. D. Jorge I terá referido que «O importante é manter o Pêésse no poder».

O regresso d'El Rei deverá ficar decidido durante o decorrer desta semana durante a reunião do clube Liberdade e Cidadania e no jantar do Marquês de Sócrates com os seus deputados às Cortes.

Recordar é viver!


Por António Marinho (advogado e jornalista)
in «Diário do Centro», de 15 de Março de 2000

A polémica em torno das acusações das autoridades angolanas segundo as quais Mário Soares e seu filho João Soares seriam dos principais beneficiários do tráfico de diamantes e de marfim levados a cabo pela UNITA de Jonas Savimbi, tem sido conduzida na base de mistificações grosseiras sobre o comportamento daquelas figuras políticas nos últimos anos.
Espanta desde logo a intervenção pública da generalidade das figuras políticas do país, que vão desde o Presidente da República até ao deputado do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, passando pelo PP de Paulo Portas e Basílio Horta, pelo PSD de Durão Barroso e por toda a sorte de fazedores de opinião, jornalistas (ligados ou não à Fundação Mário Soares), pensadores profissionais, autarcas, «comendadores» e comentadores de serviço, etc? Tudo como se Mário Soares fosse uma virgem perdida no meio de um imenso bordel.
Sei que Mário Soares não é nenhuma virgem e que o país (apesar de tudo) não é nenhum bordel. Sei também que não gosto mesmo nada de Mário Soares e do filho João Soares, os quais se têm vindo a comportar politicamente como uma espécie de versão portuguesa da antiga dupla haitiana «Papa Doc» e «Baby Doc».
Vejamos então por que é que eu não gosto dele(s).

A primeira ideia que se agiganta sobre Mário Soares é que é um homem que não tem princípios mas sim fins. É-lhe atribuida a célebre frase : «Em política, feio, feio, é perder». São conhecidos também os seus zigue-zagues políticos desde antes do 25 de Abril. Tentou negociar com Marcelo Caetano uma legalização do seu (e seus amigos) agrupamento político, num gesto que mais não significava do que uma imensa traição a toda a oposição, mormente àquela que mais se empenhava na luta contra o fascismo.
Já depois do 25 de Abril, assumiu-se como o homem dos americanos e da CIA em Portugal e na própria Internacional Socialista. Dos mesmos americanos que acabavam de conceber, financiar e executar o golpe contra Salvador Allende no Chile e que colocara no poder Augusto Pinochet.
Mário Soares combateu o comunismo e os comunistas portugueses como nenhuma outra pessoa o fizera durante a revolução e foi amigo de Nicolau Ceaucescu, figura que chegou a apresentar como modelo a ser seguido pelos comunistas portugueses.
Durante a revolução portuguesa andou a gritar nas ruas do país a palavra de ordem «Partido Socialista, Partido Marxista», mas mal se apanhou no poder meteu o socialismo na gaveta e nunca mais o tirou de lá. Os seus governos notabilizaram-se por três coisas: políticas abertamente de direita, a facilidade com que certos empresários ganhavam dinheiro e essa inovação da austeridade soarista (versão bloco central) que foram os salários em atraso.

INSULTO A UM JUIZ
Em Coimbra, onde veio uma vez como primeiro ministro, foi confrontado com uma manifestação de trabalhadores com salários em atraso. Soares não gostou do que ouviu (chamaram-lhe o que Soares tem chamado aos governantes angolanos) e alguns trabalhadores foram presos por polícias zelosos. Mas, como não apresentou queixa (o tipo de crime em causa exigia a apresentação de queixa), o juiz não teve outro remédio senão libertar os detidos no próprio dia. Soares não gostou e insultou publicamente esse magistrado, o qual ainda apresentou queixa ao Conselho Superior da Magistratura contra Mário Soares, mas sua excelência não foi incomodado. Na sequência, foi modificado o Código Penal, o que constituiu a primeira alteração de que foi alvo por exigência dos interesses pessoais de figuras políticas.
Soares é arrogante, pesporrento e malcriado. É conhecidíssima a frase que dirigiu, perante as câmaras de TV, a um agente da GNR em serviço que cumpria a missão de lhe fazer escolta enquanto presidente da República durante a Presidência aberta em Lisboa : «Ó sr. Guarda desapareça». Nunca, em Portugal, um agente da autoridade terá sido tão humilhado publicamente por um responsável político, como aquele pobre soldado da GNR .
Em minha opinião, Mário Soares nunca foi um verdadeiro democrata. Ou melhor é muito democrata se fôr ele a mandar. Quando não, acaba-se imediatamente a democracia. À sua volta não tem amigos, e ele sabe-o ; tem pessoas que não pensam pela própria cabeça e que apenas fazem o que ele manda e quando ele manda. Só é amigo de quem lhe obedece. Quem ousar ter ideias próprias é triturado sem quaisquer contemplações. Algumas das suas mais sólidas e antigas amizades ficaram pelo caminho quando ousaram pôr em causa os seus interesses ou ambições pessoais.
Soares é um homem de ódios pessoais sem limites, os quais sempre colocou acima dos interesses políticos do partido e do próprio país. Em 1980, não hesitou em apoiar objectivamente o General Soares Carneiro contra Eanes, não por razões políticas mas devido ao ódio pessoal que nutria pelo general Ramalho Eanes. E como o PS não alinhou nessa aventura que iria entregar a presidência da República a um general do antigo regime, Soares, em vez de acatar a decisão maioritária do seu partido, optou por demitir-se e passou a intrigar, a conspirar e a manipular as consciências dos militantes socialistas e de toda a sorte de oportunistas, não hesitando mesmo em espezinhar amigos de sempre como Francisco Salgado Zenha.
Confesso que não sei por que é que o séquito de prosélitos do soarismo (onde, lamentavelmente, parece ter-se incluido agora o actual presidente da República), apareceram agora tão indignados com as declarações de governantes angolanos e estiveram tão calados quando da publicação do livro de Rui Mateus sobre Mário Soares. Na altura todos meteram a cabeça na areia, incluindo o próprio clã dos Soares, e nem tugiram nem mugiram, apesar de as acusações serem então bem mais graves do que as de agora. Por que é que Jorge Sampaio se calou contra as «calúnias» de Rui Mateus ?»

DINHEIRO DE MACAU
Anos mais tarde, um senhor que fora ministro de um governo chefiado por Mário Soares, Rosado Correia, vinha de Macau para Portugal com uma mala com dezenas de milhares de contos. A proveniência do dinheiro era tão pouco limpa que um membro do governo de Macau, António Vitorino, foi a correr ao aeroporto tirar-lhe a mala à última hora. Parece que se tratava de dinheiro que tinha sido obtido de empresários chineses com a promessa de benefícios indevidos por parte do governo de Macau. Para quem era esse dinheiro foi coisa que nunca ficou devidamente esclarecido. O caso Emaudio e o célebre fax de Macau é um episódio que envolve destacadíssimos soaristas, amigos íntimos de Mário Soares e altos dirigentes do PS da época soarista.
Menano do Amaral chegou a ser responsável pelas finanças do PS e Rui Mateus foi durante anos responsável pelas relações internacionais do partido, ou seja, pela angariação de fundos no estrangeiro. Não haveria seguramente no PS ninguém em quem Soares depositasse mais confiança. Ainda hoje subsistem muitas dúvidas (e não só as lançadas pelo livro de Rui Mateus) sobre o verdadeiro destino dos financiamentos vindos de Macau. No entanto, em tribunal, os pretensos corruptores foram processualmente separados dos alegados corrompidos, com esta peculiaridade (que não é inédita) judicial: os pretensos corruptores foram condenados, enquanto os alegados corrompidos foram absolvidos.Aliás, no que respeita a Macau só um país sem dignidade e um povo sem brio nem vergonha é que toleravam o que se passou nos últimos anos (e nos últimos dias) de administração portuguesa daquele território, com os chineses pura e simplesmente a chamar ladrões aos portugueses. E isso não foi só dirigido a alguns coladores de cartazes do MASP que a dada altura enxamearam aquele território. Esse epíteto chegou a ser dirigido aos mais altos representantes do Estado Português. Tudo por causa das fundações criadas para tirar dinheiro de Macau. Mas isso é outra história cujos verdadeiros contornos hão-de ser um dia conhecidos. Não foi só em Portugal que Mário Soares conviveu com pessoas pouco recomendáveis. Veja-se o caso de Betino Craxi, o líder do PS italiano, condenado a vários anos de prisão pelas autoridades judiciais do seu país, devido a graves crimes como corrupção. Soares fez questão de lhe manifestar publicamente solidariedade quando ele se refugiou na Tunísia. Veja-se também a amizade com Filipe Gonzalez, líder do Partido Socialista de Espanha que não encontrou melhor maneira para resolver o problema político do país Basco senão recorrer ao terrorismo, contratando os piores mercenários do lumpen e da extrema direita da Europa para assassinar militantes e simpatizantes da ETA. Mário Soares utilizou o cargo de presidente da República para passear pelo estrangeiro como nunca ninguém fizera em Portugal. Ele, que tanta austeridade impôs aos trabalhadores portugueses enquanto Primeiro Ministro, gastou, como Presidente da República, milhões de contos dos contribuintes portugueses em passeatas pelo mundo, com verdadeiros exércitos de amigos e prosélitos do soarismo, com destaque para jornalistas. São muitos desses «viajantes» que hoje se põem em bicos de pés a indignar-se pelas declarações dos governantes angolanos. Enquanto Presidente da República, Soares abusou como ninguém das distinções honoríficas do Estado Português. Não há praticamente nenhum amigo que não tenha recebido uma condecoração, enquanto outros cidadãos, que tanto as mereceram, não obtiveram qualquer distinção durante o seu «reinado».
Um dos maiores vultos da resistência antifascista no meio universitário, e um dos mais notáveis académicos portugueses, perseguido pelo antigo regime, o Prof. Doutor Orlando de Carvalho, não foi merecedor, segundo Mário Soares, da Ordem da Liberdade. Mas alguns que até colaboraram com o antigo regime receberam as mais altas distinções. Orlando de Carvalho só veio a receber a Ordem da Liberdade depois de Soares deixar a Presidência da República, ou seja logo que Sampaio tomou posse. A razão foi só uma : Orlando de Carvalho nunca prestou vassalagem a Soares e Jorge Sampaio não fazia depender disso a atribuição de condecorações.

FUNDAÇÃO COM DINHEIROS PÚBLICOS
A pretexto de uns papéis pessoais cujo valor histórico ou cultural nunca ninguem sindicou, Soares decidiu fazer uma Fundação com o seu nome. Nada de mal se o fizesse com dinheiro seu, como seria normal. Mas não; acabou por fazê-la com dinheiros públicos. Só o governo, de uma só vez deu-lhe 500 mil contos e a Câmara de Lisboa, presidida pelo seu filho, deu-lhe um prédio no valor de centenas de milhares de contos. Nos Estados Unidos, na Inglaterra, na Alemanha ou em qualquer país em que as regras democráticas fossem minimamente respeitadas muita gente estaria, por isso, a contas com a justiça, incluindo os próprios Mário e João Soares e as respectivas carreiras políticas teriam aí terminado. Tais práticas são absolutamente inadmissíveis num país que respeitasse o dinheiro extorquido aos contribuintes pelo fisco. Se os seus documentos pessoais tinham valor histórico Mário Soares deveria entregá-los a uma instituição pública, como a Torre do Tombo ou o Centro de Documentação 25 de Abril, por exemplo. Mas para isso era preciso que Soares fosse uma pesoa com humildade democrática e verdadeiro amor pela cultura. Mas não. Não eram preocupações culturais que motivaram Soares. O que ele pretendia era outra coisa. Porque as suas ambições não têm limites ele precisava de um instrumento de pressão sobre as instituições democráticas e dos órgãos de poder e de intromissão directa na vida política do país. A Fundação Mário Soares está a transformar-se num verdadeiro cancro da democracia portuguesa.

Se nem eles se entendem...

Manuel Maria Carrilho apontou duras críticas a uma eventual candidatura a Belém por parte de Mário Soares, que seria um mau sinal do sistema político português. Assumindo ainda que preferia ver Manuel Alegre na corrida a Belém.

O cabeça de lista dos socialistas à Câmara Municipal de Lisboa surge qual artista de cinema na pele de Zorro a desmentir a notícia que afirma a pés juntos ser «falsa, infundada e totalmente especulativa», acusando o jornal «Diário de Notícias» (DN) e o jornalista Francisco Almeida Leite de «falta de critério e de isenção jornalística».

Obviamente que afirmo tudo o que escrevi, diz Francisco Almeida Leite, que não está com intenções de alterar uma vírgula que seja ao seu artigo, apesar do candidato socialista já o ter contestado, tratou-se de uma conversa que nunca foi privada, entre um jornalista e um político, num almoço no rio Tejo, ressalvando ainda que existem uma testemunhas.

Palavras para que? Mais um exemplo claro e prático dos políticos a manipularem a comunicação social!

Votar PS? eu?

"Quatro meses foram suficientes para compreender que José Sócrates é um líder fraco, que continua refém do betão e da agenda eleitoral do PS.
O primeiro-ministro conseguiu a proeza de criar um clima de paz podre, que conjuga a instabilidade governamental, financeira, económica e social, apesar de uma confortável maioria absoluta, do apoio tácito de Jorge Sampaio e da ajuda estratégica do governador do Banco de Portugal,
Confrontado com uma clara falta de autoridade, José Sócrates foi obrigado a avançar com a candidatura de Mário Soares, quando dias antes garantia que ainda era cedo para falar da corrida ao Palácio de Belém.
A crise governamental provocada pela demissão de Campos e Cunha e o apelo desesperado ao fundador do PS evidenciam a sua fragilidade política.
Nos últimos vinte anos, nunca um primeiro-ministro foi capaz de fazer tão mal em tão pouco tempo.
Mas o pecado original do secretário-geral do PS não é de agora.
As cedências ao aparelho partidário são antigas, como se pôde verificar na disputa pela liderança do PS e na última campanha eleitoral.
Em vez de falar verdade aos portugueses, antes e depois de ter sido eleito, José Sócrates enveredou pelo discurso populista, em que alterna o cacete e a cenoura.
Umas vezes, no papel do governante pobre e remediado, invoca a crise para apertar o cinto. Outras vezes, qual líder de um país próspero e optimista, sem qualquer pudor político, promete uma realidade futurista, com um novo aeroporto e um comboio de alta velocidade.
Num curto espaço de tempo, José Sócrates acabou por ceder aos interesses de alguns grupos económicos, esquecendo-se que o futuro dos portugueses deve estar primeiro.
O primeiro-ministro está convencido que dispõe de quatro anos para resolver os estrangulamentos da sociedade portuguesa, mas está redondamente enganado.
A demissão de Santana Lopes, que contava com uma maioria parlamentar coesa, também parecia impensável, mas acabou por acontecer, abrindo caminho a uma nova era no relacionamento institucional entre a Presidência da República e o Governo.
Seja quem for o próximo inquilino do Palácio de Belém, de esquerda ou de direita, José Sócrates não dispõe de grande margem de manobra.
Para permanecer na chefia do Executivo, durante uma legislatura, José Sócrates precisa de demonstrar que é capaz de arrancar o país das garras do desemprego, da estagnação económica e da crise das contas públicas.
O crescimento do terrorismo, a instabilidade internacional, o impasse europeu e o elevado preço do petróleo não deixam muitas dúvidas sobre o que pode acontecer, a médio prazo, ao governo socialista.
A crise conjuntural já se transformou em ingovernabilidade estrutural, o que revela a incompetência da classe política e a falência de um regime que já nem consegue disfarçar a sua agonia.”

fonte: Revista Visão por Rui Costa Pinto a 25 Julho 2005

segunda-feira, agosto 08, 2005

Sistemas de videovigilância

Vítor Dias é o novo delegado no Porto do Instituto Português da Juventude (IPJ), substitui Rosa Almeida que renunciou ao cargo por causa de uma câmara oculta no Gabinete de Apoio à Saúde e Sexualidade Juvenil.

Na sequência de algumas queixas por parte dos funcionários da limpeza, que segundo os mesmos haveria vestígios de esperma nos sofás, foi denúnciado à Secretaria de Estado da Juventude um sistema de videovigilância instalado no Gabinete de Apoio à Saúde e Sexualidade Juvenil, dissimulado como arranjo de flores artificiais pela empresa de segurança contratada pelo Instituto da Juventude por ordem da ex-delegada.
A Secretaria de Estado da Juventude por sua vez participou os factos à Procuradoria-Geral da República, após receber a denúncia, tendo sido abreto um inquérito interno e aceite o pedido de demissão de Rosa Almeida, entretanto formulado.
Ainda por esclarecer está o destino das gravações e, naturalmente, quem as viu.

fonte: Lusa

Acampamento no Hospital do Barlavento Algarvio

Os familiares de Marcelino Conceição Silvestre de 35 anos, de etnia cigana, residente num acampamento perto do Estádio Municipal de Lagos, mantiveram-se durante todo o dia 7 de Agosto, junto à morgue do Hospital do Barlavento Algarvio, em Portimão – e, segundo garantem, ali vão permanecer até ao funeral. Transferiram o acampamento de Lagos para a entrada da morgue, até o infeliz do cachorro subnutrito veio, com ele... o pai, a mãe, o irmão e a irmã, o tio, a avó da filha do primo, a cunhada da irmã do tio-avô... o ajuntamento assemelhava-se aos convívios que já nos habituaram à porta do Palácio Bívar, naturalmente provocando aquela aflição e receio na população civil desta cidade.

Resumo
Solicitado à PSP da cidade de Lagos a sua presença no bar 'Jay Jay' onde Marcelino Conceição Silvestre, ameaçava terceiros empunhando uma arma de fogo de calibre proibido, ainda não revelado pelas autoridades, e naturalmente, sem documentação relativa à posse da tal pistola. Marcelino apontava a pistola ao porteiro no referido estabelecimento de diversão, com notório risco de vida para o visado. Como resposta à ordem para que largasse a arma, Marcelino efectua vários disparos contra os agentes, que segundo testemunhas no local na altura, só não atingiram os polícias ou a populares por mero acaso, pois vários projécteis passaram bem perto destes. Face à situação, os agentes viram-se abrigados a responder ao agressor, seguindo-se uma troca de tiros. Marcelino é atingido no pescoço e, na sequência, dominado pelos polícias.
O tiroteio na baixa da cidade de Lagos alarmou os moradores e ainda muitos turistas que àquela hora se encontravam em esplanadas vizinhas ou se deslocavam pelas ruas.
Face aos ferimentos apresentados pela vítima o INEM é chamado, comparecendo no local com uma viatura médica de emergência rápida. Apesar dos esforços dos técnicos de saúde que assistiram o indivíduo viriam, contudo, a revelar-se infrutíferos, com o homem a acabar por falecer.

domingo, agosto 07, 2005

PORTUGAL ESTÁ A ARDER !


PORTUGAL ESTÁ A ARDER !
05/08/2005

Mãos criminosas incendeiam o nosso País, destroem o nosso património ambiental, destroem bens materiais de pessoas que levaram uma vida inteira a construí-los. Destroem sonhos e projectos de tantos portugueses. Destroem e ceifam vidas...
E isto repete-se todos os anos!
Os governos (nós, com os nossos impostos..) gastam rios de dinheiro (2.000 a 3.000 euros/hora!) nos meios aéreos para combate ao fogo; os bombeiros não têm descanso; as populações vivem em permanente sobressalto e o país vai-se "habituando" e convivendo "naturalmente" com a "época dos fogos"...
E isto repete-se todos os anos!
Será normal? Não há culpados por crime e culpados por desleixo? Não há soluções? Estas coisas não acontecem por acaso e já deveriam estar bem melhor resolvidas; quer na sua prevenção, quer na sua resolução, quer na sua punição.
Mas neste momento dramático, não se pedem culpados e medidas, pede-se antes ajuda e colaboração! É dever cívico dos portugueses defender o seu país!
O PNR, por isso, convida todos os Nacionalistas a dar o exemplo, ajudando os bombeiros e as populações locais no combate às chamas.
Se houver um incêndio perto do local onde está, não fique indiferente: ajude.

sexta-feira, agosto 05, 2005

Chipre!?? Isso é o que?



O Chipre é uma ilha dividida, com a ONU a vigiar a 'fronteira' entre o Norte turco e o Sul grego.

A declaração emitida na passada sexta-feira pelo governo de Ancara, sublinhando a recusa em reconhecer o governo cipriota com sede em Nicósia, não deve bloquear o lançamento das conversações de adesão da Turquia à União Europeia, anunciou a Comissão Europeia, esta segunda-feira, após uma primeira análise do documento.

Turquia vs Chipre



À medida que se aproxima o momento da decisão complicam-se as estratégias e aumentam os 'recados' políticos. O primeiro-ministro francês declarou esta quarta-feira que "não (lhe) parece concebível" o início de negociações de adesão da Turquia à União Europeia antes de Ancara reconhecer o Chipre.

Lá estão os Franceses novamente com a sua má vontade, coitadinhos dos turcos...

Portugal o País mais feliz do mundo!

Descrito pelo comandante como “cumpridor e socialmente correcto”, o agente principal Machado, de 50 anos, tinha um comportamento exemplar. A sua ocupação era, há mais de 20 anos, com os carros da polícia.

Em casa, o agente manifestava sérias preocupações pelo facto de ter pedido a pré-reforma há dez meses e de ainda não ter recebido uma resposta. No trabalho, essa queixa, de acordo com o comandante, não existia.

Anteontem Valter Machado saiu do serviço às 17h00. Ainda esteve com um colega que não lhe notou qualquer comportamento suspeito. Uma hora depois, Valter escreve um bilhete de despedida à mulher e deixa-o em cima da mesa. Enfia-se no seu Mercedes e ruma para Fátima.

Em Fátima, o agente compra a imagem de um santo e volta para Setúbal. À 01h30 fica incontactável. Valter estaciona o carro à frente da PSP meia hora depois. Pega numa caçadeira e, com um disparo, põe termo à vida. “Adeus reforma, adeus amigos”, escreveu.


PRÉ-APOSENTAÇÃO
O agente Machado pediu a pré-reforma em Maio último, com pedido de entrada de execução em Julho. Tinha 36 anos e nove meses de serviço (já com as percentagens atribuídas à PSP). Não seria abrangido pela reforma do Governo.

FÉRIAS
O polícia nunca se manifestou desesperado. Em Fevereiro comemorou o 50.º aniversário com uma grande festa. No final do mês tinha as férias dos seus sonhos marcadas para Cuba.

BAIXAS
No currículo de Machado só existem baixas por um problema no joelho. Nunca precisou de acompanhamento psicológico. Pediu para ser cremado.


PSICÓLOGOS
Dois psicólogos da PSP estão a prestar apoio aos colegas do polícia e à sua família. Os sindicatos dizem que o caso é a prova do desespero no seio da polícia.



... sem comentários

Não se passa nada em Portugal, somos todos tão felizes, somos o País mais feliz do mundo!

quinta-feira, agosto 04, 2005

Movimento 560



O Movimento 560, referenciado na maioria do blog da comunidade Nacionalista, é uma iniciativa louvável de quem considera fundamental apoiar a produção nacional e apela a que se comprem produtos portugueses. O nome do movimento é inspirado nos três primeiros algarismos do número existente no código de barras dos produtos portugueses. A apoiar e divulgar, porque o proteccionismo começa em casa e seguindo o conselho do nosso camarada Humberdo do Santarém Nacional, aqui fica a minha versão "home made" da magnifica "t-shirt" 560!

terça-feira, agosto 02, 2005

Disciplina!

in La Voz del Pueblo, n.º 1, Março/1999* (adaptado pelo POrtal Nacionalista)

Quantas vezes temos ouvido a palavra disciplina, à qual muitos associam castigos morais e físicos, detenções, etc. Disciplina, essa palavra que, ao ser ouvida, produz um calafrio de recusa imediata nos nossos jovens. Essa palavra menosprezada e associada a valores pretéritos, hoje «caducos» e fora de época. Coisas de um passado «demasiado exigente».

A disciplina é, porém, o baluarte do compromisso com toda a organização que se preze, com maior cabimento nas organizações Nacionalistas. Mas a disciplina não é somente a que a organização ou o nosso superior hierárquico nos impõe mediante um regulamento ou código, senão a que nós impomos a nós mesmos – essa é a verdadeira disciplina e a que representa o pilar de todo o tipo de disciplina. A disciplina motu próprio é a que, moralmente, e sem algum castigo coercivo, nos obriga a realizar o nosso cometimento ou a nossa responsabilidade, já que implica a satisfação própria do dever realizado e da palavra dada por compromisso. Só a honra nos obriga a cumpri-la.

Muitos dos chamados «militantes», para não dizer a maioria, rechaçaram esta disciplina, acomodaram-se aos costumes burgueses e vulgares daqueles que vivem do sistema, e crêem que ao contribuírem de vez em quando para a Causa resolve tudo.

A Disciplina do militante obriga-o a obedecer aos seus superiores hierárquicos, não de uma maneira cega e sem pensar, mas porque eles demonstraram o seu valor com o seu trabalho e a sua dedicação. A disciplina obriga-o, sempre moralmente, a cumprir com todas as obrigações que assumiu quando se comprometeu a ser Militante, ele sabe que a sua função não se reduz em opinar nessa organização ou de frequentar as suas actividades, sabe que quando empenhou a sua palavra, também empenhou a sua Honra na consecução de um fim e na luta pela sua Nação e pelo seu Povo, palavra que o eleva ao posto de Soldado Político, e como tal deve ser fiel ao seu empenho e responsável para com a sua obrigação.

O militante é a pedra angular de todo o movimento de cariz Nacionalista. Para o militante, não é lícito dizer:

• A minha profissão absorve-me.
• Retiro-me temporariamente.
• Passo a outro tipo de luta.
• Dedico-me a estudar.
• Ao sábado saio.
• Não tenho um tostão.
• Apaixonei-me.
• Não vale a pena.
• Porquê eu, se ninguém trabalha?

O definitivo e verdadeiro compromisso e a verdadeira resistência ao Sistema é manter a Disciplina com seus compromissos, em saber manter-se de pé entre as ruínas, com Disciplina.

As organizações que não são Nacionalistas enchem-se de uma grande quantidade de jovens «militantes» enquanto que no nosso movimento isso não acontece. Se em verdade se quisesse mais gente, dedicar-nos-íamos a outra coisa, outra política mais fácil, conformista. Exigimos uma Ética e um Estilo, um compromisso fanático (uma vez que estamos imbuídos de uma Visão Sagrada do Mundo). Não nos serve qualquer um. Queremos jovens resolutos, capazes, fiéis, inteligentes e, sobretudo, com capacidade de sacrifício. O fácil não é meritório, só o que é conseguido com sacrifício reconforta a alma.

Esta é a vida do Militante, milícia civil mais rígida e sacrificada que os nossos militares-funcionários. Militância e Disciplina, pois não há maior disciplina que lograr actuar num mundo caótico e degradado com uma Ética e um Estilo que não são concordantes com a época e os valores vigentes.

É isto o que se espera de um verdadeiro militante: Honra, Lealdade, Sacrifício, Perseverança, Camaradagem. Numa palavra, DISCIPLINA.

* Extraído do blogue Corserpentis

segunda-feira, agosto 01, 2005

Juventude Nacionalista


uma realidade para breve

"Naquilo que à Juventude Nacionalista diz respeito, entendo que esta é absolutamente fundamental, tendo vindo a acarinhar e a transmitir esta iniciativa.
No actual momento político, económico e social de extrema decadência e injustiça que Portugal e a Europa atravessam, existe uma natural reacção por parte da juventude desperta, que é por natureza rebelde e inconformista, embora generosa e idealista, e da qual uma boa parte tem notórias simpatias pelo PNR e pelas suas ideias.
Os jovens de hoje, são os homens de amanhã, e nós, Nacionalistas, não nos podemos dar ao luxo de desperdiçar este imenso potencial humano, passando-lhe ao lado.
Se não os cativarmos, doutrinarmos e mobilizarmos hoje para o nosso combate, uma coisa é certa: uma grande parte deles perde-se definitavamente para outros partidos ou para um eterno encolher de ombros burguês e de indeferença em relação aos destinos e descaminhos da Nação.
Confiei esta tarefa, apresentando-a como urgente desafio, ao Filipe Baptista e Silva, pois vejo nele as qualidades fundamentais para tal empresa: juventude, determinação, formação política e cultural e uma enorme capacidade de trabalho. Terá assim a tarefa de, em permenente coordenação e na dependência directa da Comissão Política Nacional, criar a estrutura nacional e a propaganda adequada a este fim.
Com os jovens de hoje, seremos poder amanhã!"

Ficam aqui os contactos e o nome dos responsáveis pela JN

Coordenador Nacional
Filipe Batista e Silva

Secretários Nacionais
Emanuel Guerreiro
Rita Vaz

Contactos:
Tel: 96 488 10 83
correio@juvenac.org
SITIO NA NET
correio@juvenac.org