sexta-feira, janeiro 27, 2006

28 de Janeiro 2006: Manifestação em memória dos portugueses assassinados África do Sul



ALAMEDA D. AFONSO HENRIQUES - 15h!
Junto à Fonte Luminosa

sexta-feira, janeiro 20, 2006

Santarém Nacional


O Santarém Nacional faz hoje anos.
Que conte por muitos são os votos sinceros deste irmão mais novo.

quarta-feira, janeiro 11, 2006

PNR aconselha o voto em branco nas presidenciais


COMUNICADO DE IMPRENSA

Terça, 10 Janeiro 2006
Consciente das responsabilidades dos cada vez mais portugueses que representa, o Partido Nacional Renovador esclarece os seus eleitores sobre a sua posição face às próximas presidenciais.
Considera o Partido, que a “escolha” apresentada aos portugueses de entre os candidatos do sistema, todos eles com grandes responsabilidades no estado de desastre em que Portugal vem sendo mergulhado, não é, nem pode ser considerada como uma verdadeira escolha.
A comunicação social, por seu lado, já elegeu os cinco candidatos do sistema, os supostamente importantes, esquecendo ou mesmo trucidando outros que, por não fazerem parte dele, são excluídos.
Esta é uma falsa democracia. Este é um país onde, cada vez mais, ou se está com o “politicamente correcto” ou se é remetido para a “marginalidade”. Por tudo isto, não apresentando uma candidatura própria, o Partido Nacional Renovador aconselha aos seus simpatizantes o voto em branco.

Obrigado», Guterres...

Obrigado», Guterres...
Notícias PNR
Escrito por V L
Quarta, 11 Janeiro 2006


«Doze refugiados políticos da África subsariana chegaram ontem a Portugal, vindos de Marrocos. Ficarão a residir no nosso país ao abrigo de um acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). (...) Os recém-chegados terão apoio jurídico, médico e psicológico, cursos de Língua Portuguesa, Informática e formação profissional e um subsídio de cerca de 30 euros por semana. O objectivo é a sua inserção no mercado de trabalho.» CM
Esta notícia teria a sua «piada», pelo facto de se fazer notícia da chegada de «apenas 12 imigrantes», não fossem as actuais políticas imigracionistas uma verdadeira tragédia para a Europa e para o nosso Povo.

Numa altura em que, diariamente, chegam ao nosso território centenas, senão milhares, de imigrantes subsarianos, nomeadamente das ex-colónias, é caricato que seja notícia o facto de Guterres ter como sua «primeira oferta para Portugal» 12 imigrantes subsarianos», logo durante a grave crise que o nosso país atravessa e numa fase em que o desemprego aumenta exponencialmente.

O PNR defende fortes restrições à imigração porque, além da imigração provocar uma descida nos valores médios dos salários, a imigração em massa descaracteriza a identidade e o tecido cultural português.

Assim, o PNR afirma-se como a única força política que defende realmente os interesses dos portugueses, tanto dos trabalhadores que procuram uma vida melhor como das empresas que tentam sobreviver num mercado cada vez mais globalizado.

domingo, janeiro 08, 2006

França: Comboio do Terror

França: Comboio do Terror
Notícias PNR
Sábado, 07 Janeiro 2006
«O testemunho dos passageiros agredidos tornou ainda mais grave o escândalo do ‘comboio do terror’, nome por que é designada a composição onde dezenas de vândalos assaltaram, no dia 1 de Janeiro, centenas de passageiros enquanto se dirigiam à estação de Marselha.» - CM
Segundo notícia divulgada pelo Correio da Manhã de Sábado, 7 de Janeiro, a polícia francesa tentou «evitar que transbordasse para a opinião pública» uma espécie de arrastão levado a cabo por «dezenas de jovens entre os 15 e 20 anos» num comboio da zona de Marselha. O motivo evocado pelas autoridades para a tentativa de silenciamento prende-se com o facto de «viajarem no comboio perto de 600 pessoas». Várias mulheres francesas relataram tentativas de violação e de humilhação pública por parte dos... jovens!
Na notícia divulgada pelo jornal El Mundo o Ministro do Interior Nicolas Sarkozy é apresentado como «exímio na arte de abafar escândalos». E esta é que é a grande questão levantada pela (não) divulgação dos contornos de mais um «arrastão»: o acordo tácito entre os donos do Sistema e os seus lacaios da comunicação social com vista ao silenciamento total dos casos diários de violência associada aos «grupos de jovens» que assolam a realidade do dia-a-dia dos europeus.
Não se trata apenas de mais uma «política de avestruz», tão habitual nos políticos que nos governam, mas é um assunto com contornos de censura institucionalizada, pelas mais altas hierarquias do Estado - neste caso por parte da União Europeia - desde que lançou uma Directiva no sentido de procurar esconder a verdadeira origem do crime.
Além de escandaloso, uma autêntica vergonha! Mais uma traição por parte daqueles que prometeram defender os interesses dos portugueses - e ainda há quem acredite que os actuais partidos do Sistema querem, ou vão, mudar alguma coisa...

segunda-feira, janeiro 02, 2006

Entrevista ao José Pinto Coelho do PNR