quarta-feira, março 15, 2006

Entrevista a Emanuel- Dirigente da JN

em http://pt.novopress.info/?p=540

O ciclo de entrevistas a nacionalistas portugueses contínua. Vamos tentar dar voz a nacionalistas que desenrolam o seu papel de forma útil e válida, sendo o suporte de muitas caras. O Emanuel é um desses casos, por isso hoje, conheça o jovem algarvio dirigente da Juventude Nacionalista.

1- Emanuel, como têm sido estes primeiros meses na Juventude Nacionalista? Um projecto audaz, corajoso e que necessita de muita entrega e dedicação, de que forma a tua vida pessoal ficou afectada desde que assumiste um dos cargos dirigentes da JN?

Saudações nacionalistas.

A JN nestes últimos seis meses tem evoluído de uma forma que considero bastante positiva, é um projecto que vai ganhando um corpo mais consistente à medida que a estrutura da organização vai sendo completada. O balanço que faço é claramente positivo, pois temos assumido a nossa posição como uma verdadeira alternativa à juventude portuguesa e vamos penetrando lentamente e de uma forma consistente na esfera juvenil. Considero que estamos no caminho certo com a linha doutrinária e de actuação que temos seguido seja a acção na rua com manifestações juntamente com outras organizações nacionalistas, com distribuição, colagem e afixamento de propaganda por todo o país, sessões de esclarecimento, com a implantação de núcleos distritais e concelhios por todo o país, colóquios e visitas a locais de património histórico português e outras ideias que queremos a curto/médio prazo colocar em prática. Acredito piamente que uma boa formação de quadros, apostando na vertente cultural será um trunfo que nos ajudará a vingar. Temos uma ideia muito definida e concreta do que queremos fazer para atingir os nossos objectivos, é só uma questão de tempo.

A minha pessoal manteve-se praticamente inalterável pois o nacionalismo faz parte da minha vida pessoal e do meu quotidiano. Felizmente que tenho pessoas do meu rol mais intimo que entendem a minha entrega e me apoiam.

2- Antes da JN, já militavas no PNR. Sentes que a JN veio complementar o projecto PNR? Ou seja, que um projecto dedicado à juventude fazia falta no PNR?

Acredito que este projecto veio preencher um vazio que existia no nacionalismo português e concretamente no PNR, que era a formação de uma organização nacionalista legal destinada exclusivamente aos jovens portugueses. É uma estratégia que os partidos do sistema usam igualmente e que temos provas concretas de que dá frutos se atendermos ao caso em particular da JCP que é uma “jota” verdadeiramente militante e que tem desenvolvido um trabalho bastante meritório, não obstante do marxismo-leninismo ser algo completamente anacrónico nos dias de hoje. A JN é e será a organização dos jovens nacionalistas portugueses, aqueles que não estando alienados pelo “matrix mental” do sistema acreditam que a derrota desse mesmo sistema é possível e será futuramente concretizável.

3- A tua militância também tem o seu cantinho nos blogues, queres falar-nos um pouco do teu blogue? E na tua opinião a importância que os blogues têm neste meio?

Quando em Janeiro de 2005 criei o Flama Aeterna não tinha em mente uma linha concreta para o blogue, considero-o como um canto pessoal que puderá de alguma forma revelar um pouco mais dos meus gostos a nível doutrinário, sendo essa doutrina de cariz anti-sionista, anti-comunista, anti-liberal, anti-capitalista, anti-maçonica, anti-nova ordem mundial, anti-sistema, pró-nacionalista, pró-revisionismo, pró-vida, pró-verdade, pró-justiça.
Considero que os blogues têm uma importância relativa pois são mais um espelho do seu autor do que outra coisa qualquer. Tenho a noção que a Internet é hoje em dia um poderoso instrumento de propaganda, mas isso não puderá fazer descurar o verdadeiro activismo, e esse é feito nas ruas juntamente com o povo.

4- Aconselha 5 livros aos jovens nacionalistas?

“O livro negro do capitalismo” da Campo das Letras
“O livro negro do comunismo” da Quetzal Editores
“ O terrorismo e as FP25 anos depois” da Colibri
“Gulag – Uma história” da Civilização
“Os americanos na revolução portuguesa” da Noticias Editorial

5- Aconselha 5 filmes aos jovens nacionalistas?

“Senhor dos Anéis” – A triologia
“Gladiador”
“O último Samurai”
“Joana D´Arc”
“A paixão de Cristo”

6- Três locais do nosso Portugal que os jovens nacionalistas deveriam visitar?

Sintra
Tomar
Beira Baixa

7- As últimas palavras são tuas, dispõe. Antes de mais, boa sorte para ti e para os projectos que estás a desenvolver.

Só queria deixar um apelo a todos os jovens que sentem que a nossa nação e o nosso povo estão a ficar aprisionados numa espiral de decadência e laxismo, de opressão, exploração para com os jovens trabalhadores, de desemprego, de um deficiente sistema de educação, de indiferença e aceitação da invasão humana de que estamos a ser vitimas para se juntarem à Juventude Nacionalista e juntos combatermos o sistema vigente criando bases para um futuro melhor para o nosso país e para as nossas crianças. Obrigado pelo “tempo de antena”.